A recuperação do tempo de serviço congelado, pela qual tanto lutámos, irá iniciar-se a 1 de setembro de 2024.

 

Nesse sentido, a ASPL disponibiliza, desde já, aos seus associados um trabalho de análise e contagem do seu tempo de serviço, que lhes permitirá verificar quais as suas próximas progressões na carreira.  

 

 

Aguardamos ainda a publicação do futuro diploma, que fixará exatamente todos os termos dessa recuperação, mas com as informações obtidas ao longo do processo negocial, temos já condições para ir realizando muito do trabalho necessário.

 

 

Assim, a todos os sócios que se encontram na carreira (entre o 1.º e 9.º escalões) e que pretendam o nosso apoio, pedimos que preencham o nosso formulário, disponível aqui

 

Para mais esclarecimentos e apoio, contacte-nos através de qualquer delegação da ASPL.

 

  • Caso ainda não seja nosso associado e pretenda sê-lo, podendo assim ver a sua situação de progressão analisada, entre outros serviços prestados, envie pf email para informacao@aspl.pt

 

 
A ASPL sempre consigo, também para que a recuperação do tempo de serviço congelado seja efetiva e não prejudique mais os docentes!

Realizou-se no dia 6/6/2024, por solicitação da ASPL, uma reunião de negociação suplementar sobre a recuperação do tempo de serviço congelado.
 
Apesar do sentido de aproximação que esta organização sindical demonstrou ao longo do processo negocial, e reconhecendo os benefícios que irão contemplar a maioria da classe docente, mas que exclui muitos milhares, a ASPL não subscreveu o Acordo proposto pela tutela.
 
A ASPL lamenta não poder assinar o Acordo, mas não pode deixar milhares de associados prejudicados, ainda que a sua maioria seja abrangida e que das nove contrapropostas que apresentou, e que já traduzem muitas aproximações às posições da tutela, apenas uma foi contemplada, a saber: a que se refere ao nº 9 do Acordo, por forma a não serem criadas novas injustiças, ultrapassagens e assimetrias entre os docentes que se encontram nos 4º e 6º escalões.
 
Leia na íntegra a síntese da reunião de negociação suplementar, realizada ontem, um ano depois da histórica manifestação de professores e educadores, ocorrida a 6/6/23.

Consulte ofício e contrapropostas da ASPL para negociação suplementar e Síntese da ASPL - para a reunião suplementar

CARTAZ – razões pelas quais a ASPL não assinou acordo com MECI

Greves ao sobretrabalho, horas extraordinárias e componente não letiva de estabelecimento serão retomadas em 12 de setembro
Apesar da insistência das organizações sindicais, o Ministério da Educação nada fez no sentido de regularizar os horários de trabalho dos docentes, eliminando os abusos e ilegalidades que, em muitas escolas, obrigam os professores a trabalhar muito para além do limite de 35 horas semanais que a lei estabelece.
 
Ler mais
 
Tribunal dá razão à ASPL: em causa estão os descontos indevidos no vencionamento, devido à Adesão à greve ao sobretrabalho

“Dê um novo significado ao seu IRS e transforme-o numa Incrível Realização Social!”

Simples e sem custos para os contribuintes!

Consulte, em anexo, a Circular B17028899H, de 22 de fevereiro de 2017, sobre a contagem de tempo de serviço para efeitos de concurso de professores, recordando que as faltas ao abrigo do artigo 103º do ECD não devem descontar para efeitos de concurso. Aconselhamos os nossos sócios a verificarem o seu registo biográfico.

Publicado a 21 de fevereiro de 2017. A constituição como interessado pode fazer-se nos 10 dias úteis subsequentes, com envio de declaração escrita , dirigida à Diretora-Geral da Administração Educativa e enviada para o endereço eletrónico regmedu42017@medu.gov.pt
Saiba mais

Encontra-se disponível, na plataforma SIGRHE, uma aplicação destinada à Certificação de Tempo de Serviço, prestado em estabelecimentos do Ensino Particular e Cooperativo - EPC, em Escolas Profissionais Privadas e Instituições Particulares de Solidariedade Social – IPSS.
Este passará a ser o único meio admitido para formalizar pedidos de Certificação de Tempo de Serviço prestado no Ensino Particular e Cooperativo.  
A aplicação não está sujeita a prazo, pelo que poderá solicitar a certificação de tempo de serviço a qualquer momento. No entanto, e a fim de garantir a certificação atempada do tempo de serviço prestado, aconselha-se a efetuar o pedido de certificação imediatamente após o término de cada ano letivo.Todos os pedidos de Certificação que sejam instruídos, a partir do dia 2 de fevereiro de 2017, por outra via que não a referida aplicação informática, não serão considerados.
 
Consulte o Guia do Utilizador e respetiva Nota Informativa.

O Dia Mundial dos Professores, comemorado a 5 de outubro, é uma data celebrativa das virtudes e da importância da nossa profissão, mas é também uma oportunidade, que a UNESCO tão bem utiliza, para relembrar os grandes desafios e constrangimentos que afetam os docentes.
Neste ano, o mote “Valorizar os docentes, melhorar a sua condição profissional” reflete uma das maiores preocupações internacionais que abalam os professores e educadores, mas também os próprios sistemas educativos e, evidentemente, o próprio futuro das nações.
O desfasamento entre a importância social da profissão docente e a sua real valorização compromete o desempenho, pois, não obstante o professor ter, regra geral, um espírito de missão que o leva a concentrar-se nos seus alunos, a verdade é que anos a fio de desvalorização social e económica acentua o desgaste natural de uma profissão muito exigente.
Assim, não é de estranhar que a generalidade dos estudos que se focam na profissão docente demonstre claramente que os docentes são dos trabalhadores que mais se sentem desvalorizados e cansados.
Neste início de ano letivo, a Fundação Manuel Leão publicou uma nova investigação que vem reforçar o alargado conjunto de produção científica neste campo e com resultados condizentes com estudos recentes e com a realidade tão bem conhecida de todos nós, professores.
O questionário, que foi aplicado em escolas públicas e privadas, revela, por exemplo, que 91% dos professores considera que nos últimos anos diminuiu o prestígio da sua atividade, 85% entende que o Ministério da Educação não valoriza o seu trabalho e 84% dos professores considera que a sociedade não valoriza a profissão docente.
Ainda mais preocupante é o facto de 32,3% dos docentes considerar-se "exausto" e "desiludido".
Igualmente alarmante é a percentagem de docentes (87%) que afirma que sente que diminuiu o tempo e as condições que os professores têm para refletir sobre as suas práticas educativas.
As causas da insatisfação são, como sabemos, variadas, mas é a falta de reconhecimento profissional (57%) e a indisciplina na sala de aula (52%) que marcam negativamente a maioria dos docentes. De resto, e no seguimento deste último indicador, 74% dos professores sentem-se insatisfeitos com os pais por "não se preocuparem com a educação dos filhos".
Este estudo apresenta uma imagem da profissão docente que espelha as dificuldades quotidianas que todos os professores sentem. Pode ser consultado na íntegra em http://www.fmleao.pt/wp-content/uploads/2016/09/FML_PREOCUPACOES_MOTIVACOES_PROFESSORES_FINAL_baixa.pdf,
A ASPL, desde a sua fundação, tem pautado a sua atuação pela defesa intransigente dos professores e educadores de Portugal, lutando pela valorização da profissão e pela qualidade do ensino.Estes dois vetores são faces de uma mesma moeda que é impossível dissociar sob pena de acumularmos, como no passado, reformas políticas e estruturais do sistema educativo que, na prática, não alcançam os objetivos preconizados.
A valorização da profissão docente é, como provam os estudos, a imprescindível condição para melhorar a educação e o ensino. Os investigadores, os professores e os educadores sabem disso, os decisores políticos, se sabem, esquecem-se disso. Cá estará sempre, a ASPL para os relembrar!
 
 
Caro colega, tenha um feliz dia Mundial dos Professores. Bem o merece!
                                                                                                             
                                                                       
                                                                  A Direção Nacional da ASPL